Como otimizar seus momentos de aula

Você já parou para pensar se você é aluno ou estudante? Segundo Pierluigi Piazzi, autor de excelentes obras na área da neuropedagogia, aluno é aquele sujeito que vai à aula, entra em uma sala e passivamente assiste ao que o professor apresenta; estudante é aquele sujeito que, depois da aula dada, estuda ativamente, de forma solitária, visando o aprendizado.


Moral da história: assistir aula NÃO é o mesmo que estudar. Estudar exige um pouco mais de trabalho ativo, estudar exige concentração, anotações, esquemas, resumos, exercícios e outras tantas técnicas. Não é indo pra aula que se aprende alguma coisa, é estudando! Mas, ainda assim, a aula tem seu papel nessa história toda: a aula serve para entender, e só entendendo um determinado assunto é que se aprende sobre ele. Matemática, por exemplo, é difícil de entender, mas é fácil de aprender quando se ultrapassa a barreira do entendimento.

Se a aula é importante para o entendimento de um determinado assunto e se você investe tempo (e dinheiro) para ter aulas, como fazer para otimizar esse momento e potencializar seus estudos visando o aprendizado? Para responder isso, vamos lembrar que a aula é dividida em três momentos: o antes da aula, o durante a aula e o depois da aula.


ANTES da aula = Preparo

Saiba quais são suas próximas aulas. Ao tomar conhecimento do que vem adiante nas próximas semanas de aula, faça como os bons estudantes: se antecipe. Leia algo a respeito do conteúdo, faça um estudo rápido do assunto, assista algumas aulas na internet. Fazendo isso seu aproveitamento durante a aula será muito maior, suas dúvidas serão mais criteriosas e seu entendimento será mais claro.

Faça um estudo prévio e leve suas dúvidas anotadas. Se você fez um estudo prévio do assunto da aula, aproveite para usar o professor para revisar alguns pontos mais complexos. Anote suas dúvidas e pergunte tudo ao seu professor. Lembre-se que muitas vezes uma pergunta é mais importante que a resposta... sendo assim, formular perguntas criteriosas é um ótimo exercício que ajuda a levar ao aprendizado.

Leia notícias para se situar sobre os temas abordados em aula. Sabendo o tema geral das próximas aulas, aumente seu leque de conhecimentos gerais sobre o assunto acompanhando portais de notícias especializados nessa área, siga instituições da área nas redes sociais, acompanhe também os autores da área nas redes sociais, leia periódicos e acompanhe o lançamento de publicações na área.

DURANTE a aula = Entendimento

Aula é para entender, não para aprender. Tendo isso em mente, trabalhe para aproveitar seu momento de aula e seu momento pós aula. Faça seu melhor para entender um determinado assunto pensando na economia de tempo e facilidade que terá no momento do estudo para aprender este assunto.

Faça anotações próprias e criteriosas. Um pouco de exercício mental durante a aula vai iniciar ajudar no processo de aprendizado. Para aproveitar o tempo em aula e já iniciar o processo de fixação de conteúdo, faça anotações criteriosas e próprias sobre o que está sendo apresentado: anote suas conclusões, relações e dúvidas. Mas lembre-se: anotar não é copiar. Se você apenas copiar o que o professor falou ou se apenas copiar o que está no quadro, esse exercício mental será menos eficiente.

Escrever é diferente de digitar. Para favorecer seu trabalho mental e melhorar sua atenção, é importante lembrar que escrever é muito melhor que digitar. Ao digitar, os estímulos neurais que levam ao entendimento e aprendizado não são tão estimulados, por isso digitar é um método pouco eficiente de anotação.

Leve sua garrafa d’água. Para evitar saídas desnecessárias da sala de aula, leve sua garrafa d'água, assim você não corre o risco de perder uma explicação importante. Isso também evita que você perca a concentração e quebre alguma linha de raciocínio.

Pergunte. Pergunte e pergunte! Tire suas dúvidas, a aula é o melhor momento para isso. Lembre-se que o entendimento é uma barreira para o aprendizado. Se você não entendeu alguma coisa, não deixe essa dúvida passar. Muitas pessoas sentem-se intimidadas em questionar o professor, mas saiba que esse prejuízo pode te custar horas de estudo por conta própria.

DEPOIS da aula = Estudo e aprendizado

Aula dada é aula estudada, HOJE. Não deixe para estudar amanhã ou no fim de semana. O aprendizado acontece de acordo com o ciclo circadiano do seu cérebro, quando você dorme, parte da sua memória de curto prazo se perde e alguns aspectos do seu entendimento podem se perder também. Não adianta lutar contra a natureza! Para potencializar ao máximo seu aprendizado é importante estudar a aula do dia naquele mesmo dia. Você tem aula a noite? Te vira, crie uma estratégia!

Qualidade de estudo é mais importante que quantidade de estudo. Se você tiver só meia hora para estudar... use essa meia hora! O estudo feito com qualidade, mesmo que em um curto espaço de tempo, oferece bons resultados. Leve em consideração a seguinte regra sobre quanto e quando estudar: estude pouco, mas estude todo dia.

Estude ativamente para aprender. Não estude para tirar nota alta na prova, a nota não deve ser seu objetivo, ela é apenas uma boa consequência do seu trabalho. Estudar para aprender significa assumir um compromisso com seu aprendizado. Seu professor não pode transferir o que ele sabe para você, ninguém pode. O aprendizado se constrói por conta própria, não por transferência. Estudar para aprender significa colocar toda sua cabeça naquilo: leia, escreva, anote, faça exercícios, reflita, esquematize, rabisque, desenhe, relacione e revise.


Para mais, recomendo essas leituras a TODOS estudantes, professores, diretores e demais membros de qualquer comunidade escolar:

PIAZZI, Pierluigi. Inteligência em concursos – Manual de instruções do cérebro para concurseiros e vestibulandos. São Paulo, Editora Aleph, 2013.

PIAZZI, Pierluigi. Ensinando inteligência – Manual de instruções do cérebro de seu aluno. São Paulo: Editora Aleph, 2009.

PIAZZI, Pierluigi. Estimulando inteligência – Manual de instruções do cérebro de seu filho. São Paulo: Editora Aleph, 2008.

PIAZZI, Pierluigi. Aprendendo inteligência – Manual de instruções do cérebro para alunos em geral. São Paulo: Editora Aleph, 2007.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MAPAS MENTAIS SÃO TODOS IGUAIS?

PLANEJAMENTO ACADÊMICO - COMO FAZER?

Tabela periódica dinâmica